Firmeza e gentileza na criação de filhos

As crianças de hoje são muito diferentes de como nós fomos quando crianças. As crianças de hoje parecem mais irresponsáveis e desmotivadas e muitas vezes nós como pais nos sentimos frustrados por não conseguir colocar disciplina em casa.

Mas, calma!  Antes vamos entender porque as crianças  de hoje são diferentes.

Uma dos fatores se deve ao uso excessivo e sem instrução da tecnologia. Desde muito novos nossos bebês são colocados em frente a tablet, televisão, filmes e celulares sem um preparo para absorver tanta informação e sem uma instrução de como usar esses instrumentos de forma proveitosa. Sim, a tecnologia tem muitos benefícios mas, ao mesmo tempo colocamos nossos filhos a mercê do mundo sozinhos para absorver sem filtro tudo que aparece na tela.

Mas também houve uma mudança social, nós adultos não nos comportamos mais como nossos pais se comportavam. Não temos a mesma submissão em relação aos nossos pais, e as crianças aprendem muito por exemplos. Antigamente, filhos pediam a benção e beijavam a mão dos avós e pais. Isso mostrava a autoridade e quem dava as regras. Não estou defendendo ou indo contra esse modelo. Mas, percebam que nossas relações mudaram e isso naturalmente influencia no comportamento das crianças.

Nossa visão atual sobre a infância também mudou, o que é muito bom! Crianças não são vistas mais como tábuas rasas, sem nada a contribuir por sua educação e que na vida adulta não se lembram de praticamente nada da infância. Pelo contrário, a qualidade emocional e física da vida adulta depende do que se foi plantado na infância. Hoje se deseja criar um ambiente de amor, valorização e respeito pela infância, em vez de um ambiente de medo e repressão.

Por outro lado, as crianças recebem de tudo em excesso sem esforço. Em muitos lares são tratadas como pequenos reis que ditam regras e decidem o fluxo de rotina da casa e são protegidas de qualquer frustração. Crianças perdem a oportunidade de aprender que com esforço se conquista algo e que com responsabilidade se conquista liberdade.

Recentemente, fiz um post no blog sobre perfis parentais onde você pode identificar que tipo de pais é. Acesse!

Nós pais estamos perdidos em como dar disciplina fugindo do modelo autoritário de tempos atrás e acabamos sendo demasiados permissivos e algumas vezes negligentes sem se responsabilizar pela educação dessa criança.

Para uma criança ter responsabilidade e motivação precisa no ambiente familiar a escolar vivenciar oportunidades onde possa ser importante, onde suas ações contribuem para a família ou classe de aula. Precisam ter oportunidade de vivenciar frustração, para ter confiança de lidar com os erros e coisas boas da vida.

Quando falamos em ser gentis com nossos filhos não significa abrir mão da nossas responsabilidade como adultos e pais. Não podemos deixar de corrigir e ensinar lições para as crianças. A criança fez algo errado? Explique conforme a idade o que se fez de errado e quais as consequências das ações dela, a perda de privilégios.

Para se ter privilégios é necessário esforço. No momento, em que se tem uma postura equivocada aos valores familiares é importante que a criança entenda, que perderá. Uma punição física nada irá ensinar a não ser o medo  do erro, a criança não entenderá a lógica real da vida.

Quando nós pais aplicamos o respeito mútuo e dividimos as responsabilidades familiares, todos os membros desse lar se sente importante e capaz de desenvolver habilidades de vida.

Em vez de excluir as crianças do processo de decisão familiar, de disciplinar por meio do medo. Podemos colocar regras em conjunto e pensar em soluções dos problemas. Nós como adultos direcionamos, somos firmes e aceitamos a contribuição dos nossos filhos de acordo com os valores da família.

Por meio da Disciplina Positiva podemos  ser firmes e gentis, antes de aplicar é preciso que estejamos conscientes do que estamos fazendo, assumir nossa responsabilidade como pais e tratar nossos filhos com empatia e respeito. Dando às crianças oportunidade de vivenciar as consequências de suas atitudes, sem nos deixar ser manipulados por birras e choros.

Um exemplo prático para entender como ser firme e gentil:

Aqui em  casa a Clarice adora tomar banho. Chega a ficar meia hora na banheira se divertindo. É um momento relaxante e de interação entre ela e o papai.  Na hora de terminar o banho ela nunca quer sair e é um momento que antes era de choro e birra, causando o caos emocional em todos nós.

Antes tentava de forma autoritária: “vai sair sim e vai ser agora” e tirava a força da banheira debaixo de choro e chutes. Em vez de relaxar, nos três ficavamos desgastados.

Já cheguei também a deixar ficar na banheira até quando quisesse para evitar o choro, e ela entendeu que decidia sobre quanto tempo ficava e caso não fosse feito sua vontade sua reação era a de um tirano colocando as regras com choro, gritos e chutes. 

Com a disciplina positiva aprendi a considerar sua vontade de ficar, mas a Clarice também entendeu que havia uma regra e precisava ser respeitada.

Ao ir tirar ela da banheira pergunto, “vamos sair do banho?” E ela me responde balançando a cabeça (com sinal de não) e me dá tchau para sair do banheiro. Eu respondo, “entendo que você quer ficar mais um pouco, ficarei aqui no banheiro enquanto você se despede dos brinquedos e os guarda no pote”. Dou um tempo para ela guardar e entender que acabou. Em seguida digo: “chegou a hora, o banho acabou e você pode escolher um brinquedo para vir junto”. Ela se levanta e vem para a toalha com um bichinho e brinca com ele enquanto a troco e visto. Ou ainda, muitas vezes quando aviso que o banho acabou, ela dá tchau para o chuveiro e vem para o colo. Um sucesso alcançado com muitas tentativas. Aprender sobre disciplina positiva não significa que será fácil aplicar.

Antes de chegar nesse processo, muitas vezes ela não escolhia brinquedo para evitar sair do banho, então eu avisava que iria pega-la no colo e iria ficar sem o brinquedo. Sair do banho é necessário, uma regra inegociável. A escolha da Clarice é se vai sair com ou sem brinquedo (brinquedos usados somente na hora do banho).  Quando decide não escolher brinquedo eu aviso que irei pega-la no colo . E explico que ficou sem brinquedo porque não quis sair do chuveiro. Enquanto ela chora e reluta em sair permaneço com a Clarice enrolada na toalha e no colo até se acalmar e quando se acalma troco a roupa e coloco pijama. Mas, a regra continua valendo sem brinquedo e sem voltar pro banho. Isso exige tempo e muita paciência.

A disciplina positiva é uma abordagem que respeita crianças e adultos, baseada no respeito e cooperação. É dar  ferramentas e oportunidade para a criança ser responsável por si mesmo sem um adulto a todo tempo regulando seu comportamento.

Conforme Rudolf Dreikus, gentileza é importante para mostrar respeito e firmeza para mostrar respeito por nós.

E na sua casa, como é?

Um beijo do pessoal aqui de casa,

Nat

Deixe um comentário