Crianças lerdas ou espertas?

Desde muito cedo quando nossas crianças entram na escola ou mesmo no meio familiar, a partir do nosso conceito de inteligência rotulamos nossos filhos como lerdos ou espertos, estúpidos ou brilhantes.

Mas, o que faz uma criança ser esperta? Ser inteligente? Nós adultos julgamos a criança em relação ao que? A quem? Ou ainda, quando a criança não corresponde às nossas expectativas a rotulamos como lerda e incapaz.

O que é inteligência

A inteligência é uma capacidade muito geral que envolve habilidade de raciocinar, planejar, resolver problemas, pensar de forma abstrata, compreender ideias complexas, aprender rapidamente entre outras coisas. Ser inteligente não é algo que envolva somente habilidade acadêmica e vai muito além de testes de QI (quociente de inteligência).

A inteligência está intimamente ligada a cultura de cada local. Pois cada cultura valoriza determinadas capacidades como sabedoria, criatividade, conhecimento prático, habilidades sociais e habilidades emocionais.

Sabemos que para bom desempenho escolar é necessário um bom funcionamento cognitivo que pode se modificar conforme o desenvolvimento da criança e de acordo com  as condições do meio, da genética e principalmente devido a dedicação e esforço de cada pessoa.

Cuidado com rótulos

Ser inteligente é mais um rótulo que colocamos em nossos filhos, gerando um stress na criança em cumprir esse papel de “inteligente” ou nunca ser boa o bastante para sair do rótulo de “lerda”. Uma criança acostumada a ser chamada de inteligente, quando enfrenta uma dificuldade, uma nota ruim, por exemplo, ou mesmo quando não souber algo sofrerá demais. Entendendo que falhou em ser inteligente, falhou em algo que  ela é,  e entenderá como algo pessoal.

Uma criança parabenizada por seu esforço considerará a dificuldade um obstáculo a ser vencido e pensará em uma nova forma de conseguir atingir o propósito.

Já a criança que normalmente é chamada de lerda desistirá em frente a qualquer desafio por achar que não conseguirá, sempre se achará incapaz de enfrentar situações adversas.

Cada criança tem seu talento. Mas, além de elogiar por suas habilidades precisamos, principalmente, parabenizá-los pelo esforço feito para atingir objetivos.

Nós, pais, valorizamos só a habilidade ou damos mais valor para o esforço? O que garantirá que seu filho tenha uma vida adulta plena e consiga atingir seus objetivos é o esforço que ele colocará para realizar planos.

Lá vem o mimimi de elogio

Pense você, o que na sua vida foi fruto apenas de habilidade? E o que foi fruto do seu esforço? Nossas conquistas são frutos do nosso esforço e nossas crianças precisam aprender a se esforçar, independente de serem inteligentes, espertas e lerdas.

Nessa altura do texto você deve estar pensando, lá vem mais um mimimi de elogio. Agora nem de inteligente posso chamar meu filho.

  • Tem vídeo no canal sobre o poder do elogio, só clicar aqui

Este texto é para levantar uma reflexão sobre o impacto que causamos em nossos filhos. O quanto é importante estarmos conscientes da nossa ação como pais. Pode sim chamar filho de inteligente, de bonito, de príncipe. Mas, não só isso.

Que tal parabenizamos pelo esforço em ter estudado para tirar 10? Em vez de dizer como você é inteligente, dizermos “você estudou, e se esforçou para receber essa nota, parabéns!”

Elogiar nossos filhos dessa forma é muito mais verdadeiro. Mostra nosso envolvimento e foge da superficialidade dos rótulos. Vamos elogiar as ações.

Cada pessoa é diferente e cada um consegue se destacar em uma atividade devido seu ao esforço, dedicação, disciplina e trabalho. E não só por alguma habilidade inata.

Cansamos de ver pessoas que possuem talentos, mas não conseguem atingir seus objetivos por falta de outras características. Só talento não traz uma vida realizada.

Cada criança precisa ser valorizada por suas conquistas, e precisamos dar aos nossos filhos ambientes enriquecidos, seguros e motivadores para que consigam perceber que só com esforço pessoal poderão fazer a diferença no mundo e se realizarem. Cada pessoa tem seu potencial a ser alcançado.

Segundo uma pesquisa do educador norte americano Antonio Rodriguez, crianças que recebem só elogios como “inteligentes” e “talentosas” gastam tempo tentando provar suas qualidades em vez de se dedicarem verdadeiramente aquilo que lhes é importante e faz feliz.

 

Um beijo do pessoal aqui de casa,

Natalie

 

Deixe um comentário